Está procurando o melhor Residencial Geriátrico para seu ente querido? Te ajudamos com algumas dicas essenciais para tomar a melhor decisão.

Dica 1
Faça a pergunta chave:
O que é um Residencial Geriátrico, Clínica Geriátrica, Residencial ou Lar de Idosos, Casa de Repouso ou Hotel para terceira idade?
Uma Residência Geriátrica compreende o fornecimento de serviços para idosos que não têm condições de saúde ou que não desejam viver de forma independente. A infra-estrutura oferecida por estes locais, inclui além do fornecimento de alojamento e alimentação, cuidados médicos e psicológicos, serviços de enfermagem e de acompanhantes.

Dica 2
Como saber se o momento de usar esses serviços chegou:
Cada família e cada idoso representam uma situação singular, mas algumas situações podem facilitar a tomada de decisão, por exemplo: A pessoa corre algum risco ficando sozinha em casa? É capaz de cuidar das suas atividades da vida diária (alimentação e higiene pessoal)? É capaz de tomar corretamente seus medicamentos? Está segura em casa?
Quando muitas dessa perguntas passam a ser respondidas negativamente e a qualidade de vida dos familiares responsáveis está prejudicada, talvez esteja na hora de fazer a transição para um Residencial Geriátrico.

Dica 3
Como escolher o local mais adequado para cuidar do seu ente querido:
Inicialmente é necessário pensar no prognóstico do seu ente querido e qual a perspectiva de curto, médio e longo prazo.
Em seguida é necessário definir se o familiar necessita de cuidados de baixo ou de alto grau de complexidade.
O ideal é optar por infraestrutura e serviços especializados e de alta complexidade, para evitar ter que mudar o familiar de local caso o local escolhido não consiga atender as necessidades atuais ou futuras.

Dica 4
Quais são os tipos de hospedagem:
Hospedagem temporária de Baixa Complexidade: o idoso mora em casa, mas os familiares precisam se ausentar durante um período de férias ou viagens, por exemplo.

Hospedagem temporária de Alta Complexidade: uma doença aguda, como um AVC ou fratura, debilitou o idoso rapidamente, mas há esperança de recuperação e retorno ao domicílio. (requer um plano de tratamento e reabilitação multidisciplinar)

Hospedagem prolongada de Baixa Complexidade: o idoso é independente, mas por motivos diversos, não deseja mais morar na sua casa, como por exemplo, questões de segurança, casa muito grande, familiares moram longe, sente solidão.

Hospedagem prolongada de Alta Complexidade: o idoso tem a saúde debilitada sem perspectiva de retorno da independência, é necessário prevenir hospitalizações, evitar e retardar agravamentos à saúde e melhorar a qualidade de vida com conforto e cuidados especializados.

Dica 5
Como avaliar o Residencial Geriátrico:

– Visite o máximo possível de locais diferentes.
– A equipe é cordial e atenciosa?
– O local é limpo, agradável e bem ventilado?
– Existe espaço externo como jardins e praças para caminhadas e descanso?
– Observe itens obrigatórios de segurança contra incêndio
– Existe climatização adequada como ar-condicionado e aquecedores?
– Quem é o responsável técnico?
– Em quais situações o seu familiar poderá ser tratado no residencial e quais situações ele deverá ser transferido ao hospital?
– Em caso de hospitalização, quem entrará em contato com o médico do hospital para fazer a internação? Como será o transporte?

Dica 6
Observe os documentos importantes que o Residencial deve disponibilizar. Alguns documentos são fundamentais e obrigatórios por lei, como por exemplo, Licença Sanitária e Certificados de Responsabilidade Técnica.
Porém, o mais importante é tirar todas as dúvidas e ver com seus próprios olhos. Nada substitui a visita presencial ao local. Tenha sempre em mente que os bons locais e seus dirigentes não se importarão em serem verificados de forma mais profunda e objetiva.

Utilize essa informação para formar a sua opinião e tomar a decisão adequada para seu ente mais querido.

Site Setor Saúde

Compartilhe esta notícia!